18 de mai de 2009

O MEU ANTERIOR INTERIOR

Há momentos em que começo a recordar de coisas que já vivi e tais lembranças que antes eram vistas como coisas simples, insignificantes, passam a ter uma amplitude sentimental que eu simplesmente não consigo explicar.

Há alguns dias, senti falta de quando voltava para a casa a tarde depois da escola e ficava brigando com meu pai pelo controle remoto, brigando por estar em um mesmo espaço, o que é estranho, porque hoje mesmo lutamos pela falta de um único para nós dois. Relembrei também as histórias que ele me contava quando ainda na segunda série ele tinha que me acordar às 8:00 da manhã para ir pra aula de inglês, certa vez ele dizia:

"Havia um coró que se chama Nel, um dia o Coró'nel foi passear..." - ou simplesmente:

"A Vovózinha então resolveu tomar uns grosopi(de fato, eu não sei como se escreve essa palavra, ou se ela realmente existe, a intenção é dizer que a vovózinha havia tomado bebidas alcoólicas e aliás, a falta de concordância é intencional) e foi quando o Lobo Bom chegou na casa dela, tocou a campainha e disse: E aí, vovó, tá afim de dar uns rolé?"

E com tais histórias, no fim ele sempre repetia algo como:

"Entrou pelo bico do pinto, saiu pelo bico do pato, seu rei mandou dizer pra você contar mais quatro", "Entrou pelo bico do pato e saiu pelo bico do pinto, seu rei mandou dizer pra você contar mais cinco". Enfim, hoje eu ligo pra ele lendo minhas redações, acho que ele realmente não deve pedir pra eu ler mais cinco, deve ser muito cansativo.

De qualquer forma, também sinto falta da minha mãe me buscando na escola, atrasada, estressada, mas sempre tão carinhosa e sem a hostilidade que a gente aguenta no transporte escolar pago. Ou simplesmente de quando eu chegava em casa e ela falava: "Hoje é terça-feira, diz de tomar farinha láctea, vou caprichar na sua farinha láctea hoje" e ela colocava bastante leite ninho, ficava uma delícia. E então outro dia eu chegava da escola reclamando de dor de cabeça e ela deitava minha cabeça no seu colo e mesmo que eu soubesse que fazendo cafuné em mim, daí cinco minutos ela cairia no sono e eu a acordaria de novo era tão bom só de sentir o cheirinho dela.

Sinto falta também dos meninos de rua que tocavam interfone e corriam, eu adorava gritar de raiva sobre o quanto tem gente que não tem nada para fazer e fica incomodando a vida alheia. Saudade até mesmo do carro da pamonha que passava todos os dias com uma música mais ridícula que a outra falando: "É a melhor pamonha da cidade, pamonha de doce, pamonha de sal, sal com pimenta e até curau, tudo isso com o Seu Adão, o Pamonheiro". E hoje me veio ainda à mente o mês de agosto de todos os anos, quando o colégio estadual da cidade começava a preparar sua banda para o Desfile de 7 de setembro e todos os dias por volta das 7:30 da noite, eu podia ouvir as batucadas incansáveis com um sendo rítmico incrível, aquela era a fanfarra de Goianésia. O cheirinho de terra, a rádio ruim...



É incrível como você consegue sentir falta de algo mesmo que o que você sinta saudade realmente é de você mesmo, como você era.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Às vezes tenho essas saudades que você relata... De uma vida que parece não existir mais...
    Sinto falta da minha mãe... Ela sempre reclamava da minha desorganização, preguiça, escolhas ruins de roupa, falta de compromisso na hora de urinar e o conseqüente odor no banheiro... Sinto falta de quando ela chegava do trabalho e dizia estar “suja de dentista” e por isso não me abraçava...
    Hoje vivo por minha conta... Sinto falta das reclamações, de saber que alguém se importa realmente contigo...
    Eu sempre reclamava... Achava um absurdo me tratar como criança... Exigi tanto não ser tratado como criança que hoje sou tratado como tal, e infelizmente não tem jeito de voltar... Como é ruim...
    Acho que não estou pronto pra essa vida...
    Tenho saudade de um cara já não esta aqui... Deixou um vazio, que é o que você conheceu...

    Saudações Internetianas!

    ResponderExcluir
  4. É comum sentirmos saudades de nós mesmos como também é comum sentirmos falta de "eus passados" de outras pessoas. Achei tão fofas as lembranças do seu pai *-* Muito meigas! Amo você ;*

    ResponderExcluir
  5. realmente eu sinto saudades de goianésia também, mas... a vida anda.

    ResponderExcluir